Sobre a Autora

Advogada formada pela Faculdade de Direito de Franca. Especialista "lato sensu" em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito de Itu. Mestranda em Direito Processual Civil pela PUC SP.

Receba as atualizações

Inscreva-se para receber atualizações

Direito Processual Civil – Jurisdição

direito

Antes de se falar em jurisdição, conceituá-la e especificar suas características, é necessário conhecer um pouco do seu histórico e, dessa forma, compreender melhor sua origem e seu conceito.

Bem diferente do que se conhece hoje, o conflito de interesse entre particulares era resolvidos por eles mesmos, realizando o que hoje chamamos de autotutela. A autotutela era a sobreposição dos interesses dos mais fortes sobre os mais fracos. Qualquer meio poderia ser utilizado para solucionar o conflito, inclusive a força bruta.

Atualmente, a autotutela é vedada pela lei, salvo em raríssimas exceções, como por exemplo a autotutela do esbulho, prevista no art. 1.210, §1º do Código Civil.

Art. 1.210. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação, restituído no de esbulho, e segurado de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado.
§ 1o O possuidor turbado, ou esbulhado, poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, contanto que o faça logo; os atos de defesa, ou de desforço, não podem ir além do indispensável à manutenção, ou restituição da posse.

A evolução da sociedade resultou no abandono da autotutela e na participação de um terceiro desinteressado e imparcial, eleito pelas partes, para dar uma solução ao conflito existente entre elas. A arbitragem facultativa, chamada assim justamente porque não eram adotadas, substitui a autotutela e pode ser apontada como o primeiro passo ao sistema jurídico hoje conhecido.

Outro método de solução de conflitos é a autocomposição que, apesar de não vedada pelo ordenamento jurídico brasileiro, é insuficiente para abranger a solução de todos os tipos de conflitos de interesse. Há três modalidades de autocomposição:

1ª – Renúncia / Desistência – uma das partes abre mão de sua pretensão em face da outra. Ex.: perdão de uma dívida.

2ª – Submissão – a parte abre mão de se defender, entregando a outra o que ela pretende receber. Ex.: devedor paga e não exige recibo, quando cobrado paga novamente.

3ª – Transação – é um acordo, ou seja, há concessões recíprocas entre as partes. Ex.: credor aceita prolongar o prazo de pagamento da dívida vencida.

A arbitragem, na concepção atual, também é um dos métodos de resolução de conflitos, neste caso um terceiro imparcial é chamado a dar uma solução à lide. As decisões desse terceiro imparcial, chamado de árbitro, são de cumprimento obrigatório por força de lei. Caso o devedor não cumpra a decisão arbitral esta deverá ser executada pelo próprio Estado.

Conceito de Jurisdição

A jurisdição é, no âmbito do processo civil, a função que consiste primordialmente em resolver os conflitos que a ela sejam apresentados pelas pessoas, naturais ou jurídicas (e também pelos entes despersonalizados, tais como espólio, a massa falida e condomínio), em lugar dos interessados, por meio da aplicação de uma solução prevista pelo sistema jurídico.

A jurisdição pode assumir três papéis:

Poder – as decisões tem poder de império, quando não acolhidas espontaneamente, são impostas para gerar eficácia;

Função – os órgãos estatais tem o dever de promover a pacificação dos conflitos, quer individuais, difusos ou coletivos, realizando o direito justo através do processo;

Atividade – a jurisdição é um conjunto complexo e dinâmico de atos do juiz no processo, que exerce e cumpri sua função por meio do princípio da legalidade.

Garantias e Princípios da Jurisdição

-> Devido processo legal – garantia de um julgamento nos termos da lei, abrangendo contraditório, a ampla defesa e o julgamento imparcial.

-> Contraditório – garantia de audiência bilateral, resguardando a paridade dos litigantes nos atos processuais e a oportunidade de defesa contra quem a pretensão se dirige.

-> Juiz Natural – direito a um juiz independente e imparcial, previsto como órgão legalmente criado e instalado anteriormente ao surgimento da lida. A Constituição Federal proíbe aos tribunais de exceção, ou seja, aqueles que têm competência estabelecida após a ocorrência do fato e por consequência julgar um caso que ocorreu antes de sua competência.

-> Indelegabilidade – nenhum dos poderes pode delegar atribuições políticas. Somente a Constituição pode fixar as atribuições de cada um dos Órgãos do Judiciário, bem como o seu conteúdo.

-> Indeclinabilidade – o juiz não pode escusar-se de dizer o direito, ou seja, a garantido a todos o acesso a Poder Judiciário e o direito de, através dele, conseguir uma solução a pretensão deduzida. Nem mesmo a lacuna da lei ou sua obscuridade deve impedir o juiz de proferir a decisão.

-> Ampla defesa – é permitido a todos que estão implicados no processo a produção de provas de maneira ampla, por todos os meios lícitos conhecidos.

-> Fundamentação das decisões – todas as decisões devem ser fundamentadas sob pena de nulidade. A fundamentação, além de fornecer elementos para que a parte possa recorrer e dar ciência do motivo da decisão, ela garante o princípio da legalidade.

-> Princípio da Investidura – as pessoas físicas que representam o Estado precisam de formal investidura para que encarnem o Estado e tenham poder delegado do mesmo para o exercício da judicatura.

-> Princípio da aderência ao território – o território físico é delimitado para que um Estado não possa ferir a soberania de outro. Por isso, a decisão de um juiz brasileiro só poderá produzir efeitos nos Estados estrangeiros com a expressa autorização dos órgãos competentes desses Estados, da mesma forma quando o caso for o contrário.

-> Inevitabilidade – a autoridade dos órgãos jurisdicionais advém do poder estatal soberano e impõe-se independentemente da vontade das partes.

-> Inércia – o juiz deverá manter-se equidistante das partes, evitando-se que tenha qualquer iniciativa na relação processual. Há exceções legais que possibilitam ao juiz o início ex officio de relação processuais.

Divisão da Jurisdição

Não há pluralidade de soberania, isso torna a jurisdição una e indivisível, tal qual como a soberania. Desse modo, a divisão jurisdicional se dá apenas para imprimir eficiência e especialização da prestação jurisdicional, por meio da competência.

jurisdição

Limites da Jurisdição

São limites da jurisdição: limites internacionais, imunidades à jurisdição brasileira e jurisdição voluntária.

  • Limites Internacionais – cada Estado, de acordo com suas normas internas, apresenta os limites de sua jurisdição. Temos como critérios:

-> conveniência – cada Estada tem os seus próprios valores, que independem dos valores adotados por outros Estados;

-> viabilidade – cada Estado viabiliza a forma de cumprimento de sentenças.

O Brasil utiliza-se das seguintes ações para ligar o fato ao seu território:

1) quando o réu tiver domicílio no Brasil;

2) quando a obrigação tiver de ser cumprida no Brasil;

3) quando o fato gerador ocorreu no Brasil;

4) quando o objeto da pretensão for um imóvel situado no Brasil, assim como os bens de inventário.

  • Imunidades à jurisdição brasileira:

-> os Estados estrangeiros;

-> os Chefes de Estados estrangeiros;

-> os agentes diplomáticos.

  • Jurisdição voluntária

É a administração judicial de interesses privados. A jurisdição voluntária não resolve conflitos, apenas chancela, por força de lei, o que os interessados já resolveram. O Poder Judiciário se manifesta apenas com mero cunho homologatório da vontade dos interessados. Não faz coisa julgada e a alegação de vícios nela inseridos se dá por ação anulatória, com prazo de quatro anos.

A separação judicial consensual de casal com filho menores ou incapazes é um exemplo de jurisdição voluntária. Não há conflito, mas deve ser homologado pelo judiciário, pois o interesse é das partes, mas os efeitos são de ordem pública.

7 comentários:

Anônimo disse...

taci do q??
como é q eu vou botar acitação desse jeito!!!!

Anônimo disse...

Maravilhoso Site ! encontrei nele tudo o que eu precisava.

Taciana Smania disse...

Que bom que pude ajudar! Obrigado pela visita e volte sempre!!!!!!

João Mendonça disse...

Sou estudante de Direito e tirei minhas dúvidas sobre jurisdição.O texto é simples,porém,muito interessante.obrigado.

Anônimo disse...

Taciana adorei seu resumao, mas faltou as caracteristicas da jurisdição:
Monopolio estatal, atividade inerte, substitutiviade, instrumentalidade, definitividade de coisa julgada.

Anônimo disse...

Poxa, me ajudou muito. A simplicidade do texto tornou fácil o entendimento. Estou a estudar para convursos e as apostilas não me ajudaram tanto quanto o seu texto.
Muito obrigada!!!

Tony disse...

Parabéns Taciana! Você fez um ótimo resumo.

Postar um comentário

Blog Widget by LinkWithin